Aos meus poucos e fiéis leitores, minhas sinceras e deslavadas desculpas.

Mas no atropelo da vida, no tic tac dos relógios que teimam em acelerar – até aqui na Bahia – não consegui concluir a crônica dessa semana.

Faltou tempo, veio a inspiração mas a ampulheta viu a areia escorrer antes do famigerado deadline.

Não entristeceis. Ainda vos amo. Como não sou poeta, convoco a menina Cecília para que faça as honras da casa nesta quinta modorrenta.

Vencido pelo tempo, recorro à poesia para, mesmo por breves segundos, excogitar acerca do que realmente importa.

 

Meus companheiros amados,

não vos espero nem chamo,

porque vou para outros lados.

Mas é certo que vos amo.

 

Nem sempre os que estão mais perto

fazem melhor companhia

Mesmo com o sol encoberto

todos sabem quando é dia.

(Cecília Meireles)

                                                                                                                                                     Alex Rolim escreve, quando engana o tempo, às quintas feiras.
Anúncios