Despido de espíritos espúrios, Demóstenes, ex-despóta, depôs-se de Aspálato depois de disposto a todo despojo.

No estojo, num jogo de gomas e uma matita gasta, gestava-se amigo de alguma grafia mágica, jamais again de dogmas, malogros, agouros ou unguentos de mágoas.

Aguentar farto por quê, se o que queria era só gota d’água? Enfartar para quê, quando, andando, encurtava o dano da coronária?

Corou-se-lhe o couro da cara ao encarar claro, qual colírio, o reencontrar da aurora, outrora sua cupincha cara.

Inchou de chorar sob a chuva ao subir a montanha, façanha então estranha de tão rara – portanto, tamanha.

Amanheceu sentado no prado, cercado de cravos, desencravado da crosta, trocado do cenho crispado. Desescravizado, ora patrão, encostado no puro do chão, escreveu no costado da mão:

Despido de espíritos espúrios, Demóstenes, ex-déspota, depôs-se de…

Ricardo Sangiovanni escreve aos domingos

Anúncios