por carla bittencourt
adeus
dono dos meus olhos
está ficando tarde
nada se perdeu
mas eu preciso ir
deixo um poeminha
bobo e sem razão
quase que cantando
o samba do avião
para você ler
quando eu partir
aos seus
infinitos dias que virão
eu desejo afetos e sorrisos
porque a felicidade é assim
ela tem esse poder
qualquer
de quem
engana a solidão
deixo beijo devagar
como um dia
que se mostra
depois da chuva
como cinco segundos eternos
depois do susto
como seu navio que está ainda
do outro lado
do mundo
deixo também
tudo isso que para mim
é meteoricamente eterno
eu voltando a ter
o inédito
eu reaprendendo
que sei sorrir
adeus, eles já já chamam meu nome
o circo enfim passou
meu encantamento
está assim como quem diz
que misterioso é o
destino
e agora, olhe bem para mim
e agora
isso não acaba
aqui.
carla bittencourt é a convidada especial das sextas de dezembro, durante as férias da titular tatiana mendonça
Anúncios