por Alexandre Santos

Gravador em riste ou empunhando um velho bloquinho, cenho crispado (para esboçar credibilidade) e… “click”: lá está, diante da fonte, o sujeito que, pago para passar a informação, imagina-se mais importante que a notícia.

Não sei se a “moda” nasceu na Bahia. Só sei que agora é praxe, em alguns sites, repórter sair na foto com o entrevistado. Quá! “Pode isso, Arnaldo?”, indagaria, estupefato, um indigesto comentarista global.

A julgar pelo provérbio “mangaberiano”, de que todo absurdo tem precedente nessas plagas, não duvido, porém, que aqui tenha “estreado” um novo gênero jornalístico. E, se confirmada, a novidade certamente abalaria as estruturas do jornalismo “Gonzo”, de Hunter Thompson, ou tiraria o sono do “papa” do “New Journalism”, Gay Talese.

Bem… não precisa ser jornalista para perceber que muitos de nós, profissionais mal remunerados e mal um bocado de coisas, somos um tanto vaidosos e cheios de empáfia – mesmo sabendo que o “glamour” da profissão é a quimera dos incautos que decidem enveredar por esse sôfrego caminho.

São idiossincrasias que, a meu ver, até fazem parte do ofício. Talvez intrínsecas à natureza de quem lida com a escrita em geral; de que tem a “pena” na mão.

É a vaidade do repórter que quer a matéria na capa do jornal no dia seguinte. O ciúme besta porque “enxugaram meu texto” na hora da edição. É aquela reportagem “bem apurada” que virou uma nota fajuta por causa do anúncio de última hora.

É também o esmero do escritor que passa anos para lançar uma biografia farta em detalhes… entre outras esquisitices que nos inflam o ego mundo afora. Manias até certo ponto aceitáveis, das quais, não vou mentir, já fui acometido algum dia. Sem exageros.

Mas é bom abrir os olhos, colegas de redação! No jornalismo, o que deve prevalecer é a notícia. Sempre.

O sergipano Joel Silveira, “o maior repórter brasileiro” e ícone do “jornalismo autoral” no Brasil, um dia nos ensinou:

– Jornalista é pra ver a banda passar, e não fazer parte da banda.

Ele sabia das coisas.

Alexandre Santos é o convidado especial deste domingo. O titular dos domingos, Ricardo Sangiovanni, anda profanando por demais as letras nacionais nos últimos dias – razão pela qual levou uma advertência da Secretaria de Redação e só retorna ao trabalho na semana que vem.

Anúncios