dentro da noite
ancorei meu navio
no seu ventre

mar revolto

águas quentes

sal marinho
do bico do peito

minha rede
alinhavada
com o tom
da sua sede

dentro da noite
dois errantes

maré cheia

e então

vazante

Carmezim escreve às quartas-feiras

Anúncios