o céu mordeu um pedaço da lua
e ela minguou

desde aí
me despi da nuvem
que enfumaçava o senso
do meu coração

cantei pro sertão:

tu
terra de tudo dá
benta
mãe demorada
em fazer fulorá
sento na soleira
e assento
minha alma na beira
da gota de
par
em
par

o céu mordeu um pedaço da lua
e ela minguou

quando aquela estrela sumir
dentro da nuvem
que de mim se apartou

choro em alegria
é sinal que vem água
bater na soleira
cá onde estou

Carmezim escreve às quartas-feiras

Anúncios