Pára

de choramingar na beira da ladeira,

fera.

Remineralizar

pra ressintetizar

pedra

requebrada toda pela britadeira.

<>

Queira

desantropizar a tripa da toupeira,

fera.

Despersonalizar

pra não desmaquiar

cara

mascarada toda pela choradeira.

<>

Pára

de escarafunchar o furo da madeira:

zera pra reconstruir.

Fera,

pára, recupera,

mata toda espera,

aterra em ti.

 <>

Pára

de desfibrilar a fibra da matéria,

fera.

Desmemorializar

pra recomemorar

mora

na morada nova a espreguiçadeira.

 <>

Pára

de escarafunchar o furo da madeira:

zera pra reconstruir.

Fera,

pára, recupera,

mata toda espera,

aterra em ti.

Aterra em ti.

Aterra em ti.

Aterra.

<>

(Letra de faz uns dois anos para uma canção de Heitor Dantas – registre-se.)

Ricardo Sangiovanni escreve aos domingos

Anúncios