Eu tinha prometido para mim mesma que passaria este inverno em Londres sem dizer “Winter is coming” em momento nenhum -nem ao vivo nem nas redes sociais- porque né. Já deu de citações a Game of Thrones, que nem é lá essa maravilha.

Mas já se anuncia a chegada ao Reino Unido da “Beast from the East“, uma frente fria vinda da Rússia (este reino sombrio e desconhecido) que, supostamente, deixará algumas partes do país muito muito frias. Os alertas já começam, não saiam de casa, estoquem alimentos, melhor não fazer viagens de avião, hide yo kids, hide yo wife, não corram para as montanhas porque lá é pior.

Escrevo do provável último dia de sol aberto dos próximos meses para o Purgatório, com todo o drama que me é permitido, esta despedida. O inverno chegou, é hora de hibernar. Espero que sobrevivamos a ele acampados aqui. Aí, o verão também chegou com ainda menos clemência do que o habitual. Cuidado com o verão também. Com o que essa descarga de energia do verão nos faz fazer  -e sentir – é preciso lidar o resto do ano.

Fritem aí, congelaremos de cá, e espero que sobrevivamos pelo menos até meados de janeiro para nos encontrarmos de novo. Prometeria boas ideias para os textos do ano que vem, mas, se tem uma coisa que Zé Colmeia me ensinou foi a não esperar muita produtividade do inverno.

Quando ele passar, teremos sobrevivido ao Bug do milênio, ao apocalipse das sub-celebridades, à volta dos anos 90, ao fim da indústria fonográfica, à homofobia não criminalizada e, principalmente, a 2012, o ano em que finalmente descobriríamos se a teoria da conspiração de Arquivo X era ou não verdade . E o ano em que tudo o que iria cair – o capitalismo financeiro, os regimes tirânicos em países árabes – permaneceu de pé. Quem disse que nossa geração não sabe o que é lutar? Respect. Além das lutas reais, lutar pela sensibilidade e pelo bom senso hoje também é bem mais difícil.

Até 2013, amigos, torçam por mim, torçamos por nós, a besta do leste vem aí.

Camilla Costa escreve aos sábados.

Anúncios